sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Menina-espelho

Faz tempo que não escrevo.

Conheci uma menina...
Conheci uma menina que não acha ser egoísmo escrever sobre ela.
Mas acho que ela não entende muito dessas coisas! Todo mundo em todo canto do mundo cheira o egoísmo dela. Menos a própria.

Como poderia ser egoísta se empresta tudo que é seu com peculiar facilidade? Ou mais: se divide tudo que come e até abre mão do último pedaço?

Tudo bem que se alguém tem que chegar primeiro, que seja ela. Por que não?
E se alguém tem que sofrer com essa história, qualquer história, que não seja. Afinal, quem deseja que a corda arrebente pro seu lado?

Ela é normal.

Mas, sabe... Eu ouvi tudo isso da boca dela e concordei, mas não quis contar, entende...
A despeito de toda a sua normalidade , eu também cheirei o egoísmo dela. Era como o suor que exalava depois dos jogos em que se envolvia. Cada situação complicada! Em que todos os sentimentos estavam em jogo, mas só o dela contava. Nunca vi menina mais irresponsável com os sentimentos alheios como ela!

Talvez seja esse o pior tipo de egoísmo que existe. E, que pena, ela sua dele toda hora.
Mas eu não tive coragem de contar. Como eu vou falar pra uma menina que eu mal conheço: bem, você tá fedendo, vá se lavar!

Faz tempo que não escrevo.

Tô ocupada demais tentando mandar essa menina embora... sem machucar.