quarta-feira, 18 de março de 2009

Mal acostumada



Eu não sei bem com certeza porque foi que um belo dia
Quem brincava de princesa acostumou na fantasia

Era uma vez eu.

E eu achava as minhas vontades mais justas do que as dos outros.

Simples assim.

Elas eram o meu reino.

E isso fazia com que eu passasse por cima do que fosse em nome delas.

Sem escrúpulos. Sem peso na consciência.

Eu tinha um exército inteiro pra isso.

Era uma guerra a favor do que eu queria.

E na guerra vale tudo.

Hoje, sem butins, súditos, trono, coroa ou um reino a ser defendido, é que me vem a questão:

Onde foi que eu perdi a guerra?

Acontece que eu acredito que tenha perdido é a realeza.

Quando desacostumei a viver sustentado essa coroa inivisível,

A guerra deixou de se justificar.

E jaziu inexistente.

Você pode alegar que quem foi rei nunca perde a majestade, mas

É de olhos abertos que acordo e também me questiono:

Quem ou que foi que, afinal, fez de mim uma rainha?

E se fez.. porque desfaz de vez em quando?

Assim não há guerra que se sustente.

Nem vitória que se alcance.

Por mais mãos que se sujem e cabeças que se cortem.
















Um comentário:

Fábio Valentim disse...

A vida nos mostra que devemos partilhar com o próximo. Beijos.