segunda-feira, 25 de julho de 2011

Pra falar menos de amor

Semana passada fui cortar o cabelo. Li no dia anterior que "pessoas com vidas interessantes não tem fricote. Elas trocam de cidade. Investem em projetos sem garantia. Interessam-se por gente que é o oposto delas. Pedem demissão sem ter outro emprego em vista. Aceitam um convite para fazer o que nunca fizeram. Estão dispostas a mudar de cor preferida, de prato predileto. Começam do zero inúmeras vezes. Não se assustam com a passagem do tempo. Sobem no palco, tosam o cabelo, fazem loucuras por amor, compram passagens só de ida."(Medeiros, Martha). Me caiu como uma luva e fui cortar mais feliz, ainda. Mas, como certas coisas só acontecem com quem não tem muita paciência e saco pra outras pessoas, ou com quem tá feliz demais, tinha uma menina no salão chorando em bicas porque cortou um pouco (a mais do que sonharia em seu pior pesadelo) do cabelo comprido, muito bonito, confesso. Talvez porque meu cabelo nunca foi tão lindo quanto o dela, talvez o trecho que eu li estivesse tinindo na minha cabeça ainda, e eu me achando a da vida interessante, fato é que não liguei nem um pouquinho com mais da metade das minhas madeixas caindo no chão, enquanto ela chorava copiosamente. Ah... tadinha. Num teve a oportunidade de ter um cabelo ruim na vida... Ah... =\

Vai gastar suas lágrimas com os órfãos do Sudão, minha filha!

Uma geração que acha bonito dizer que está praticando o desapego me chora porque corta o cabelo? É que esse desapego do qual ela tanto gosta de falar é de pessoas, né? Desculpa, amigo, mas desapego de pessoas não é a prática do desapego, não; é a prática da galinhagem mesmo. Do desapego de verdade poucos entendem.

É mais ou menos assim. Convide seus amigos para irem em sua casa, abra para eles o guarda-roupa, e ofereça o que quiserem pegar, tudo. Quando estiver gostando muito de alguma coisa, dê. Quando eu estou achando meu cabelo lindo, maravilhoso, corto. Para que nada assuma o lugar do que é de fato essencial. E caso você não tenha se tocado ainda, e ache legal desapegar de todo mundo assim, pessoas são essenciais, pessoas valem muito mais do que o seu cabelo, mesmo que elas não valham um tostão furado.

2 comentários:

Jen Whately disse...

Adorei o post, precisamos praticar o desapego (até eu), menos entre as pessoas. Às pessoas, devemos nos apegar mais, principalmente com aqueles necessitados.

http://canseideusarjeans.blogspot.com/
@jenwhately

Alice Agnelli disse...

MEU DEUS, ABRE SEU ARMÁRIO PRA MIM JÁ!

quero tudo de lá.

e aí quando eu conseguir, eu vou desapegar de todas as minhas coisas velhas em um instantinho, menina, vc vai ver só!

=)